MALDITA POLTRONA!!!

Maldita Poltrona

A desesperadora história de uma velha que ficou presa na poltrona.

Capítulo I

Carlota tem 92 anos. Até duas horas atrás tinha certeza que havia comprado a poltrona dos sonhos. Reclinável, confortável, por um preço decente. Havia outras, elétricas, mas muito caras. Optou pela poltrona que se inclina, para trás, com um impulso do corpo. O encosto da poltrona desce e o descanso para os pés sobe. Para reverter a posição, impulsos com os pés e com o tronco do corpo para a frente. Que maravilha!… Simples e prático. O que Carlota não previa era hoje, duas horas atrás, logo depois do café da manhã, esticar-se na poltrona e por lá ficar sem forças para os impulsos de corpo que até então conseguia. Faz duas horas que vez em quando tenta, mas os impulsos saem fracos, muito fracos para a exigência da poltrona.

Carlota mora sozinha. Não pode se levantar para pegar o telefone e pedir socorro a alguém. Que arrombassem a porta do apartamento!… O interfone para pedir ajuda ao porteiro está pregado numa das paredes da cozinha. Ora, se conseguisse chegar ao interfone não precisaria mais de socorro, era sinal que havia conseguido se levantar. Carlota olha para o teto do apartamento, pois é a melhor visão que tem esticada na poltrona. Tantas vezes olhou o teto em devaneios.

Aguarde os próximos capítulos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.